domingo, maio 18, 2008

Andar (17) na Geira Romana I - Antecedentes

O general cartaginês Hamilcar Barca entra Península Ibérica com os seus exércitos em 237 AC, através de Cadis. Seguem-se anos de combates contra os exércitos romanos, continuados pelos seus sucessores Hasdrubal e Hannibal Barca.

Os cartagineses são finalmente derrotados em 206 AC por Publius Cornelius Scipio Africanus Major. Os Cartagineses Ibéricos e os seus aliados perderam a guerra. Mas a reconquista da Península Ibérica tornou-se difícil, arrítmica e, consequentemente, atrasada.

Por falta de meios de comunicação ?

O Nordeste da Península apenas entrou directamente no conflito com as legiões romanas quase um século depois, aquando da incursão de Decimus Iunius Brutus, o Galaico, em 137 AC.

Eleito cônsul no ano 138 AC, Décimo Júnio Bruto dirigiu uma campanha, para estabilizar e castigar as tribos rebeldes do território ao norte do Tejo, logo após a morte de Viriato em 139 AC. Viriato tinha feito a vida negra aos romanos, pois tinha-os derrotado sistematicamente em todos combates desde 147 AC (ano em que assumiu a liderança dos Lusitanos) até à sua morte.

Décimo Júnio Bruto estabeleceu o seu acampamento numa ilha, identificada hoje com a de Almourol, nas margens do Tejo, e fortificou Olisipo (actual Lisboa). No seu avanço para o norte teve que fazer frente a inúmeros combates com as populações locais.

Estabeleceu uma posição fortificada em Viseu e, já como procônsul do ano 137 AC, cruzou o rio Douro e entrou na Galécia, território dos galaicos, nos arredores do actual Porto — povo ao qual se associa a origem do nome dos territórios localizados mais ao norte, na actual Galiza; vencidos os callaeci, chegou até ao rio Lima (Lethes) e, perante a recusa dos seus soldados em cruzá-lo pelo temor de perderem a memória (pois corria a lenda de que o Lethes era o mítico "Rio do Esquecimento"), Bruto cruzou-o primeiro e os seus soldados seguiram-no ao sentirem que chamava por eles. Fonte histórica refere uma importante batalha entre os Bácaros (o povo da região) em que estes perderam. Segundo Estrabão chegou a atingir o rio Minho.

O Senado romano concedeu-lhe o título de Callaicus, "Galaico", em 136 AC. Logo depois da expediçâo de Bruto, Roma passou a dominar o teritório entre o Douro e o Minho, muito provavelmente apenas nas zonas costeiras.

Em 113 AC foi nomeado procônsul da Lusitânia, e nessa altura infligiu severas derrotas aos lusitanos, que foram finalmente derrotados. Tem início a consolidação da administração e controlo romanos.

Galaicos e Astúros foram integrados na Hispânia Citerior, uma grande província de Augusto. Com a conquista romana deste território rasgam-se sólidas vias que atravessam as monatanhas, riscam-se os primeiros cadastros, a exploração dos recursos mineiros intensifica-se e acentua-se a primeira uniformização politica da região sob o dominio imperial. Todo este território é, a partir do seculo I DC integrado na provincia romana da Calaecia, com capital em Bracara Augusta (actual Braga).

A Península Ibérica segundo Ptolomeu (83 - 161 DC)